fbpx

Ave Kludze, um africano na NASA

Ave Kludze, um africano na NASA
Ave Kludze, um africano na NASA

É de Gana e há mais de 15 anos faz parte da equipa de gestão de programas de engenharia da sede da Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA), a maior agência espacial dos Estados Unidos. 

A sua carreira no lado da Engenharia Espacial iniciou ainda criança, onde buscava sempre que a curiosidade o movesse, busca pela compreensão de como alguns dispositivos funcionam.

Com o crescimento, inicialmente quis ser piloto, onde dedicou-se a compreender como, cientificamente, tudo funciona, até que descobrisse que não podia ser, por questões de problemas de vistas.

“Quando tinha 17 anos, descobri que não podia realizar o meu sonho”. A razão era o facto de o meu irmão, o meu pai e a minha mãe usarem óculos. Isto implicava que, um dia, eu também usaria óculos. E, de facto, uso”, conta para a BBC. 

Com a desilusão, decidiu passar a sua energia para outro lado, para a engenharia, e foi estudar engenharia eléctrica nos EUA, na Universidade Rutgers, em Nova Jersey.

Inicialmente, o objectivo era posteriormente regressar a Ghana e aplicar os conhecimentos na utilização de energias renováveis como é o caso do uso da energia solar para electrodomésticos.

Este era o objectivo, porém, acabou chegando à NASA entrou para o desenvolvimento e a pilotagem naves espaciais, num encontro com o seu sonho inicial. 

“Nunca imaginei que teria a oportunidade de trabalhar para a NASA. Não com a minha formação”,

conta. 

Outras notícias que pode gostar:


Na NASA, trabalha com sistemas de comunicação que os astronautas podem utilizar na Lua e em Marte.

Ao longo dos seus ano,  Kludze ocupou cargos em vários departamentos da NASA, caso do Centro de Investigação Langley da NASA, o Centro de Voo Espacial Goddard da NASA e a sede da NASA.

Em 2006, tornou-se conselheiro técnico do inspetor-geral da NASA. Na NASA Langley, foi também diretor do Centro de Conceção Integrada da NASA Langley, desenvolvido sob a sua liderança, para propor e conceber sistemas para a Lua, Marte e mais além.

Junto de um grupo de engenheiros da NASA, esteve à frente da proposta da concepção da câmara de infravermelhos para actividades extra-veiculares (EVA IR) para os astronautas que andam no espaço.

A câmara foi pensada dentro da necessidade de  inspeção crítica por parte dos astronautas, detectar defeitos no espaço e na superfície nas secções de Carbono-Carvão Reforçado (RCC) do Sistema de Proteção Térmica do Projecto Vaivém Espacial.

Uma das mentes brilhantes da NASA 

Na NASA, Ave foi selecionado para se juntar ao Centro de Engenharia e Segurança da NASA (NESC), uma organização composta por alguns dos melhores e mais brilhantes da NASA, como especialista em Engenharia de Sistemas da NASA.

Do seu contributo no domínio e transformação da ciência e tecnologia africana, olha para o Sol com uma das riquezas que se bem usada pode iluminar, energeticamente, o continente africano. 

Contudo, para Ave Kludze, a geração mais jovem do Ghana, como também de África, tem atualmente mais oportunidades do que ele para se tornar cientista, porém, escolas africanas concentram-se muito na teoria, quando devia se aplicar mais a prática. 

Fonte BBC

Kabum_Digital_-_Revista_banner_para_o_site
Artigos relacionados

Subscreva-se à nossa newsletter. Fique por dentro da tecnologia!

Total
0
Share