fbpx

Depois de chegar à Lua, Índia lança missão para estudar o Sol

Índia

A agência espacial indiana anunciou, que vai lançar um satélite para analisar o Sol, depois de se ter tornado o primeiro país a aterrar um veículo perto do pólo sul da Lua, em grande parte por explorar.

A Organização de Investigação Espacial Indiana (ISRO) anunciou o lançamento do Aditya-L1, o primeiro observatório espacial da Índia para estudar o Sol, na plataforma X, antes designada por Twitter.

O Aditya, que se traduz por “sol” em língua hindi, será enviado para uma órbita de halo e colocado numa área do espaço a 1,5 milhões de quilómetros da Terra, o que lhe permitirá ter uma visão completa e sem interrupções do Sol.

Uma vez que o Sol é a estrela mais próxima, pode ser examinado com mais pormenor do que outras estrelas. Na sua composição, o Sol apresenta uma variedade de comportamentos explosivos e liberta uma enorme quantidade de energia.

A bordo do veículo de lançamento da Índia, o PSLV, a nave espacial Aditya-L1 viajará 1,5 milhões de quilómetros em cerca de quatro meses para estudar a atmosfera do Sol.

A capacidade de observar a actividade solar e a forma como esta afecta o clima espacial em tempo real será melhorada, segundo a ISRO.

A nave espacial transportará sete cargas úteis, incluindo detectores de campos electromagnéticos e de partículas, para examinar a fotosfera e a cromosfera do Sol.

A longo prazo, a informação proveniente da missão poderá facilitar a compreensão da forma como o Sol afecta o clima da Terra e compreender a dinâmica do vento solar.

Recentemente, os investigadores referiram que a nave espacial Solar Orbiter da Agência Espacial Europeia/NASA descobriu um elevado número de jactos pequenos com partículas carregadas ejectadas ocasionalmente da coroa solar, a atmosfera exterior do Sol, o que pode ajudar a explicar as origens do vento solar.

Será a primeira viagem deste tipo efectuada pela Índia, apesar de, no passado, a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA) terem colocado satélites em órbita para estudar o Sol.

No mês passado, a nave não tripulada Chandrayaan-3, também conhecida como “Mooncraft” em língua sânscrita, chegou com sucesso à superfície lunar, tornando a Índia a quarta nação a fazê-lo, depois dos Estados Unidos, da Rússia e da China.

Esta foi a mais recente realização do ambicioso, mas pouco dispendioso, programa espacial indiano, que deu origem a grandes celebrações em toda a nação mais popular da Terra.

O programa espacial da Índia tem um investimento relativamente baixo, mas expandiu-se significativamente em termos de alcance e velocidade desde que enviou sua primeira sonda à órbita lunar em 2008.

Em Agosto deste ano, Índia tornou-se, o quarto país a realizar um pouso na Lua e, em simultâneo, o primeiro a chegar ao Polo Sul da Lua através da Chandrayaan 3 (terceira missão de exploração lunar da Organização Indiana de Pesquisa Espacial).

A primeira tentativa do país de pousar na lua aconteceu em setembro de 2019, porém, não foi um sucesso, isso  quando o módulo de pouso colidiu com a lua devido a um erro na programação. 

A conquista, missão Chandrayaan-3, custou cerca de 73 milhões de dólares americanos e, acontece em um momento em que várias nações, como Estados Unidos e a China, estão de olho na lua para futuras missões tripuladas.

Fonte PHYS

Revista Kabum Digital Banner
Artigos relacionados

Subscreva-se à nossa newsletter. Fique por dentro da tecnologia!

Total
0
Share