fbpx

Quénia usa óculos de Realidade Virtual para redução do plástico

Quénia

A startup queniana Ukwenza VR está a utilizar a tecnologia de realidade virtual para melhorar a compreensão dos estudantes sobre os desafios ambientais, como a poluição do plástico e as alterações climáticas.

A actividade acontece alinhada com o fraco uso da tecnologia na maioria dos países africanos por esta ser dispendiosa.

Apesar dos avanços globais na tecnologia educativa, milhões de crianças ao nível do continente africano  ainda não conseguem compreender toda a realidade dos efeitos das alterações climáticas.

Ao conectar estudantes vulneráveis com ambientes virtuais, o Ukwenza VR está a revolucionar a forma como os jovens quenianos aprendem sobre a poluição plástica e os perigos das alterações climáticas, abrindo caminho para um futuro mais sustentável.

A UNICEF estima que aproximadamente 600 milhões de crianças na África subsaariana serão afectadas pelos impactos das alterações climáticas até 2040 e, para inverter esta situação, as soluções inovadoras na educação são fundamentais para permitir a sensibilização das crianças da região.

A experiência imersiva da startup começa com os alunos a colocarem auscultadores de realidade virtual de última geração, transportando-os para simulações digitais realistas de ambientes afectados pela poluição plástica e pelas alterações climáticas.

A Ukwenza VR centra-se principalmente em escolas de zonas de baixos rendimentos que não têm acesso a estas oportunidades digitais. Estas zonas desfavorecidas são as mais afectadas pela poluição plástica e pela acumulação de esgotos e lixo.

Através da criação meticulosa de elementos visuais e interactivos, os alunos têm a possibilidade de mergulhar nestes ambientes, conduzindo a uma resposta profunda e instintiva que a aprendizagem convencional em sala de aula frequentemente não consegue alcançar.

Uma das principais áreas de incidência do Ukwenza VR é educar os alunos sobre os efeitos nocivos da poluição plástica nos ecossistemas do Quénia.

Ukwenza no Youtube

Através da experiência de RV, os alunos assistem a representações virtuais de massas de água poluídas, ruas cheias de lixo e habitats devastados no Quénia e não só. São expostos ao impacto dos resíduos de plástico na vida marinha, nos animais terrestres e na saúde humana. Ao mergulhar os alunos nestes cenários virtuais, o Ukwenza VR promove a empatia e incentiva um sentido de responsabilidade, motivando-os a agir no seu quotidiano.

Para além da poluição plástica, Ukwenza VR também alerta para as graves consequências das alterações climáticas.

De acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento, o continente africano é o mais vulnerável aos impactos das alterações climáticas, apesar de ser o que menos contribui para o aquecimento global e para as emissões de gases com efeito de estufa.

A experiência de RV leva os alunos numa viagem através de diversas paisagens virtuais, permitindo-lhes testemunhar os efeitos devastadores do aumento das temperaturas, da desflorestação e dos fenómenos meteorológicos extremos. 

Através da simulação de ondas de calor, secas e inundações, a startup ajuda os alunos e professores a compreender a urgência e o envolvimento dos desafios relacionados com o clima.

A Ukwenza VR não só educa os estudantes como também os capacita para se tornarem defensores do ambiente.

Após cada sessão de realidade virtual, a startup facilita debates e workshops em que os alunos partilham os seus pensamentos, ideias e soluções propostas para combater a poluição por plásticos e as alterações climáticas. Com a abordagem colaborativa, a startup procura promover  o pensamento crítico, a resolução de problemas e a criatividade, equipando os alunos com as ferramentas necessárias para enfrentar estas questões globais.

Para aumentar ainda mais o seu impacto, a Ukwenza VR tem vindo a colaborar com mais escolas em Quénia, organizações ambientais e agências governamentais.

Com estas parcerias, a organização pretende garantir que o seu programa de educação ambiental chegue a um público mais vasto e integra-se perfeitamente na estrutura educativa existente. 

Ainda que com um sucesso visível, ainda exista  a startup tenha obtido um sucesso significativo, existem inúmeros desafios na sua missão de educar os estudantes sobre a poluição ambiental.

À medida que a startup edtech expande o seu alcance e colabora com as partes interessadas, continua a criar uma geração de indivíduos ambientalmente conscientes, equipados para enfrentar os desafios prementes do futuro.

Fonte Africa News

Kabum_Digital_-_Revista_banner_para_o_site
Artigos relacionados

Subscreva-se à nossa newsletter. Fique por dentro da tecnologia!

Total
0
Share