Takealot: O Amazon Sul-africano

Take a lot, numa tradução literal ao português, significa o mesmo que levar muito ou ter acesso a diversas coisas, é olhando para esta definição que nasce a Takealot, o Amazon sul-africano.

Trata de uma loja online que fornece serviços de venda de produtos em pequenas quantidades ou a retalho, localizada na África do Sul, concretamente na Cidade do Cabo, e é a maior loja de venda a retalho online daquele país. Ou seja, se os Estados Unidos da América têm a Amazon, a terra do rand tem a Takealot.

A empresa é resultado de um investimento inicial feito pelo empresário Kim Reid e pela empresa Tiger Global Management, uma organização americana. A acção inicia-se com a compra por parte dos investidores de uma antiga loja online sul-africana chamada Take 2 e transformada em Takealot em Outubro de 2010, e em junho de 2011, era lançado oficialmente o site da Takealot.

Em 2014, a marca juntava-se ao seu adversário Kalahari numa “fusão” movida pela necessidade de ambos buscarem por uma competição com outras lojas onlines da África do Sul e gigantes do comércio electrônico global, como a Amazon. Desta fusão, resultou o controle actual da Takealot pela Naspers, um conglomerado de mídia sediado na África do Sul com operações principais em meios electrônicos e mídia impressa.

Com uma decada de actuação, o alto “boom” da Takealot acontece durante a pandemia da Covid-19 acompanhando o salto que se deu na África do Sul no ramo do comércio electrónico. Até Setembro de 2021, as receitas da empresa haviam atingido 238 milhões de dólares, contando-se um período de seis meses, sendo o pico de referência que representou um aumento de 41% em relação ao mesmo período do ano anterior (2020).

No mesmo ano, visto como um incrível ano para a empresa, a mesma conseguiu aumentar o número de funcionários para 4.000, atender a 15.000 motoristas e tem 4.500 vendedores em seu mercado.

O seu destaque enquanto a melhor loja online, é em parte devido as suas inovações no ramo, que vão desde aumento da capacidade de entrega ao domicílio durante o bloqueio nacional, numa proposta de dar uma experiência única aos clientes uma vez que não podiam sair de casa.

Outro factor, é esta ser uma solução local, o que significa que a compra de produtos no mesmo não traz consigo custos como taxas de impostos que podem ser aplicados no caso, por exemplo, de compras na Amazon, por esta ser uma loja internacional.

As estimativas do número de sul-africanos que fazem compras online variam de acordo com os rendimentos e a localização. Sendo o destaque para os a população das maiores cidades daquele país, como Joanesburgo e Cidade do Cabo.

De um negócio que iniciou com 25 funcionários e 400 motoristas, isto em junho de 2011, e sem serviço terceirizados. Actualmente, Takealot opera em todo o território sul-africano. Comercializa uma grande variedade de produtos, desde a saúde, supermercado, cuidados com o corpo, alimentos, roupas, entre outros.

Subscreva-se à nossa newsletter. Fique por dentro da tecnologia!

Total
1
Share